Presidente da ACIG e Delegado do Sindicam se reunem para pedir medidas flexibilização

Presidente da ACIG e Delegado do Sindicam se reunem para pedir medidas flexibilização

O Presidente da Associação Comercial e Empresarial de Goioerê Alexandre Candido, juntamente com Devanir Silverio  Delegado do Sindicato Patronal, se reunem  na tarde desta sexta feira 26 de fevereiro,  solicitando para a  FACIAP -  Federação das Associações Comerciais do Paraná, Cacecopar,  Sindicato Patronal e Fecomércio Pr, apoio  para tomarem medidas de flexibilização sobre as decisões tomandas em Decreto na manhã de hoje pelo Governador do estado do Paraná. 

 

Com isso segue o manifesto de apoio do Presidente da Faciap Fernando Moras, 

É preciso punir os irresponsáveis

A Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Paraná (Faciap), entidade que representa mais de 300 Associações Comerciais e cerca de 50 mil empresas, 
é contrária ao lockdown decretado hoje em todo o Paraná. 

Os empresários não podem pagar pela irresponsabilidade de parte da população que insiste em ignorar as medidas de prevenção. O setor produtivo vem trabalhando com responsabilidade, segurança e não é foco de contaminação.

Um novo lockdown vai gerar desemprego e reduzir a renda das famílias. Muitos empreendimentos vão falir, pois já se encontram em situação de fragilidade devido à lenta recuperação dos fechamentos anteriores. Muitas famílias serão obrigadas a ficar em casa sem ter recursos para necessidades básicas.

A Faciap entende que o poder público poderia trabalhar com medidas restritivas que impeçam aglomerações, como a Lei Seca e o toque de recolher, intensificando a fiscalização para punir os infratores. 

O trabalhador e o empresário não devem pagar a conta das aglomerações clandestinas que, em sua grande maioria, ocorrem em horários alternativos aos do setor produtivo. Se existem donos de bares, restaurantes e cultos religiosos que promovem aglomerações e contribuem para espalhar o vírus, que sejam também punidos. Este ônus não deve cair sobre quem luta para preservar a vida e trabalhar com segurança.

É preciso ampliar a fiscalização, aumentar a quantidade de leitos hospitalares, intensificar a realização de testes e ter a certeza de que as pessoas infectadas cumpram a quarentena com a disciplina necessária. 

A FACIAP lamenta profundamente as mortes provocadas pela pandemia e ressalta que o lockdown não é a saída mais viável, pois abala a economia e contribui pouco para o combate ao vírus. Em muitos casos, prejudica mais do que ajuda.

Imunizar a população é uma medida emergencial e deve ser tratada como prioridade. Cabe ao Governo Federal atuar com mais eficiência e agilidade para que a vacinação chegue o mais rápido possível a todos. 

O setor produtivo precisa continuar em funcionamento, contribuindo para a nossa sociedade com a responsabilidade e seriedade de sempre. 

Atenciosamente,
Fernando Moraes
Presidente da Faciap

Fonte: Acig Goioerê

De 26/02/2021

Secondata web sistemas