Solicitação de Auxílio Emergencial para Empresários Ao Ministério da Economia, Excelentíssimo Sr. Ministro Paulo Guedes. 

Solicitação de Auxílio Emergencial para Empresários Ao Ministério da Economia, Excelentíssimo Sr. Ministro Paulo Guedes. 

Estado do Paraná, 04 de março de 2021.

 Ref. Solicitação de Auxílio Emergencial para Empresários Ao Ministério da Economia, Excelentíssimo Sr. Ministro Paulo Guedes. 

A Federação das Associações Comerciais do Estado do Paraná – FACIAP, entidade do terceiro setor representativa da classe empresarial no Estado do Paraná, que congrega cerca de 300 associações comerciais filiadas, nos 399 Municípios do Estado, e mais de 50.000 empresários filiados, vem respeitosamente perante Vossa Excelência, informar e requerer o que segue: Diante da Pandemia instaurada e a crise econômica decorrente, é possível observar que doze meses após o primeiro caso de Covid-19 no Brasil, estamos vivendo o mesmo cenário. Até parece que fomos pegos de surpresa! Depois de rígidas medidas como o lockdown, no qual os comerciantes são os principais afetados, não conseguimos reduzir o contágio e as ações de combate mostraram-se insuficientes até agora. Infelizmente, esta realidade comprometeu a economia com a impossibilidade de produção devido à quarentena e da demanda, em função da retração do consumo provocada pela redução da mobilidade das pessoas. No Estado do Paraná 5,13 mil pontos do varejo foram fechados no ano de 2020, segundo informa a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Indicadores de Empresas do IBGE mostram que 33,5% das empresas no Brasil reportam efeito negativo da pandemia, 32,9% indicam diminuição sobre as vendas e ou serviços, 46,8% indicaram dificuldades para acessar fornecedores de insumos, matérias primas ou mercadorias e 40,3% indicam dificuldades em realizar pagamentos de rotina. Contudo, estes mesmos empresários “seguram” os empregos dos paranaenses. Segundo dados do CAGED, em nosso Estado o número de desempregos não sofreu aumento durante toda a pandemia, tendo resultado acumulado positivo de 52.670. Evidenciando que o fardo está todo no empresário e, portanto, é este que necessita de AUXÍLIO EMERGENCIAL dos Governos. A concessão do auxílio emergencial para as famílias de baixa renda foi uma atitude louvável do governo federal, digna de países preocupados com a população e sua economia. A injeção de capital no bolso do cidadão traz a circulação de riquezas e fomenta a economia. Contudo, melhor que dar o peixe sempre foi ensinar a pescar! Há diversas empresas que necessitam de recursos ou subsídios estatais para manter suas atividades, gerar emprego e promover a constitucional dignidade. O IPARDES divulgou índice de volume de vendas no comércio de novembro de 2017 a dezembro de 2020 e os números são assustadores. A tabela evidencia o crescimento em percentual, sempre considerando o mês anterior. Em novembro de 2017 o crescimento foi de 9,1%, mantendo crescimento médio de 5% até queda entre maio e setembro de 2018; mas em dezembro de 2019 não obteve nenhum crescimento e a grande queda em abril de 2020 no total de -23,6% e com queda nos meses de março, maio, agosto e novembro. E, por óbvio, com a queda das vendas, as empresas deixam de ter saúde financeira, deixam de manter seus empregados e deixam de pagar seus tributos. E, é por isso que quem precisa de auxílio agora são os empresários dos segmentos mais prejudicados nesta pandemia. No segmento em que trabalho, por exemplo, de móveis, eletrodoméstico e telefonia, as empresas reagiram bem à pandemia e mantiveram suas vendas. Mas há segmentos que foram afetados profundamente e estes sim precisam de um auxílio para retomar o fôlego e voltar a crescer. Enquanto aumenta o número do contágio, aumenta também a apreensão dos empresários, que acreditam na volta à normalidade e na retomada da economia nos próximos dias, mas os números não lhe são favoráveis. E são eles os mais prejudicados nesta pandemia e, principalmente, agora com a decretação do lockdown no Estado do Paraná. Por todos estes motivos, nós da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap) ratificamos que somos contra o fechamento total do comércio. Importante frisar que somos a FAVOR DA VIDA, da vida humana e, também da VIDA DAS EMPRESAS. E pela VIDA das EMPRESAS pleiteamos junto a este Ministério o auxílio emergencial para as empresas, principalmente aquelas que desenvolvem atividades consideradas como não essenciais. Seja por isenção tributária, por redução ou zerar alíquota de PIS e COFIS, mas principalmente com a concessão de recursos financeiros diretamente ao empresário, sem atravessadores (instituições financeiras) que oneram e lucram ainda mais em cima daqueles que perecem. 

Atenciosamente, 

Fernando Moraes Presidente da Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap)

Fonte: Faciap

De 04/03/2021

Secondata web sistemas